Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem

Ainda me dói a tua ausência



Morreste-me. Morreste-me no dia em que deixámos de falar a mesma linguagem, quando os nossos olhares deixaram de ter significado de um para o outro. Morreste-me quando deixei de te compreender como até então, como se até então fizesses parte de mim, do meu corpo, como as minhas mãos que te afagavam ou os braços que envolviam quando querias colo. Morreste-me quando nos transformámos em estrangeiros um para o outro.







Que não percebo os gostos em mulheres da maioria dos homens, não percebo. Foge-me ao alcance. Mas então o fascínio que têm por boazudas vesgas, tenho mesmo que considerar a possibilidade dum problema grave. Alguém explica?

 


 

 

 

"Não ter vontade de dizer nada, de partilhar nada, de contar nada é quase sempre um sinal de desinteresse, de insatisfação. Isto pode acontecer porque não há grande química, porque estão fartos um do outro, porque estão conformados com a relação que têm e não ambicionam mais nada, porque se sentem, também, sem confiança para querer mais do que o que têm. Grave, grave é quando isto acontece em relações recentes, com semanas, meses ou até 1 ou 2 anos.

Mas o silêncio também pode ser o contrário de tudo isto. Pode ser reconfortante, tranquilizador, mas para isso é preciso saber-se estar em silêncio, saber gerir o silêncio. Eu adoro este silêncio, gosto da paz do silêncio, dos momentos em que não é preciso dizer-se nada, em que se pode estar com a pessoa que se ama, tranquilamente, a ler a uma esplanada, a apanhar sol na praia, ou até à mesa de um restaurante, mas saber quais são os momentos para o quebrar, ou apenas os gestos, um sorriso, um aperto de mão, uma graça, qualquer coisa."
O Arrumadinho