Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem

Um paquete dourado com o sol da manhã rasga o rio como se o lambesse. Ninguém olha o rio e isso dói-me como me dói sempre que há desperdício, sobretudo de poesia, que sabemos que existe sob milhentas formas, até na forma de poemas - que perco cada vez mais. Dói-me a ignorância, dói-me a solidão, sobretudo a injustiça (libriana sou e não há como renegar).
Sempre o tempo, o perdido, o que não volta nunca para trás, cada segundo precioso, se for o último não será desperdiçado. Olha o rio e o mundo a girar.



 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.