Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem

E do mesmo modo que do alto da minha querida impulsividade digo absolutamente todas as sílabas que me atravessam o encéfalo, quero lá saber do estado das coisas, das ânsias e dos melindres e o raio que os parta a todos ao meio, se leio da Medusa um texto que tem a tua cara, uma das tuas caras, quero lá saber da angústia que essa cara escamosa me traz, se gosto dela, da cara, do peixe, de ti, e não deixo de ser eu por ter chegado aqui com as duas asas mancas, eu serei sempre eu, sempre gostarei de ti, e por cima de tudo o que é injusto, tudo o que sei, mais ainda o que não sei, tudo o que eu sou que não me deixa ser como me queres, envio-te o espelho de letras alheias, mais um tiro no pé, uma facada na racionalidade que me acusam de abusar.


Eu sou eu.


Tu és tu.


E nós... nós somos nós.


 


 



 


 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.