Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem

Confesso, a pele que adivinho arrepiar-se quando outras palavras te foram dedicadas, a incerteza em que rejubilavas, as hipóteses suspensas, ainda reavivam uma doce mágoa, que só tem lugar num pretérito sempre imperfeito. É uma mágoa leve, que só pesa na gravidade invertida. Pesam-me mais os teus sorrisos de que não tenho como recordar mas que a outros sorrisos foram feitos verdades, das que não se esquecem. Podiam pesar as tuas libertações, rebeldias assumidas com a sensibilidade que querias fingir estar longe, por não vires aqui grafar dores. Mas também estas não pesam, antes me apaziguam as certezas de quem és, a bravura que encontras em ti. Aqui não tenho dores para te oferecer, nem bálsamos para as tuas feridas. Já me terás ouvido dizer que as pessoas não são pensos rápidos. Tenho para ti, só para ti, tudo quanto de mim queiras se o souberes querer.

É que a ausência que outro coração lamentou é a presença que espero, que aguardo sem contar os tempos porque os tempos de nada valem. Até ensinar o caminho do conformismo a este, que não desiste de pulsar, por tanto acreditar que é junto ao teu que vai fazer brotar uma Primavera só nossa. Até que chegue o dia, que não vai chegar, em que as mãos deixem de esperar pela procura e se contentem com a não fuga.

Não poderei ser o teu primeiro amor. E não chego a lamentá-lo.

Talvez fosse imperativo ousar um sentimento inédito, invejar. Mas quase soa a corrupção e o meu sentimento é impoluto e vivo, não saberia como ceder. A idílica bolha cheia de sonhos ou uma aproximação falhada à pista de aterragem da realidade?, pergunto sem me deter nas razões. Recuso as tentativas, recuso os limites, prazos de validade e condicionalismos. Quero dizer-te para não deixares de sonhar, antecipando que me respondas que não é comigo que sonhas. Ainda assim, quero dizer-te que não desistas dos sonhos. Eu também não desisto dos meus. E é neste peito transbordante e convicto que deixo a promessa gravada.

 

000000000.jpg

 

3 comentários

Comentar post