Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem





As mãos, abertas e fechadas, pousadas na urgência de permanecerem desconhecidas, riem. Abertas como nuvens, imóveis enquanto escrevem. Sussurram cantigas e poemas desgarrados. Próximas, tão próximas, as mãos que pousam como palavras no meu ombro, gaios tontos nas telhas do sótão. Afinal tocam-se, dançam juntas na celebração banal do que é, afinal, maior que as palavras que as mãos trocam.


 

4 comentários

Comentar post