Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem

Mossas pequeninas. Que por serem pequeninas não valem à maior parte das pessoas o desgaste de as trazer ao assunto. E vão continuando a acumular-se. Muitas mossas. Começas a parecer um wok dos bons, artesanais. Até que um dia te lembras que não vieste ao mundo para saltear vegetais. Provavelmente nessa altura já não há talento bate-chapas que te acuda. E eu gosto de ti sem mossa alguma, brilhante e imaculado, luzidio, renascido, a iluminar-me.


Eu grito a quem me faz qualquer risco no pára-choques de plástico. Pode ser foleiro, mas é o MEU pára-choques. Ou ego. Tanto faz. Quando se parte dá uma trabalheira do catano para substituir, demora tempo demais e custa balúrdios (em psicoterapia e lenços de papel). Nem penses em ameaçar riscar-me a pintura, não vou deixar que chegues perto o suficiente. E já disse que não tenho seguro.


 




look inside the shell


 


*Sou tão culta, não sou? Não, só subscrevo o Facebook do Priberam.

1 comentário

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.