Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem

Há tempos pensei ter feito uma amiga. Uma feliz coincidência, daquelas que não se quer acreditar que o sejam, trouxe-me de encontro às palavras dela. Fui lendo e atentei que a desconhecida não era incógnita. Sosseguei o espanto e sorri. Percebi dimensões de sentimentos que não foram os meus, solidarizei-me com a candura destes e com as dores que neles se enraizaram.


A ternura foi-se instalando, foram trocadas confidências e selados pactos de confiança. Meio a medo, tanto me diziam para ter cuidado, que as pessoas não são todas como os meus olhos as vêem. Agora que penso nisso, a minha antiga-nova-amiga disse-me o mesmo sobre outra pessoa. "Tem cuidado, não te magoes." "É boa pessoa, mas..."


Mas quando os sentimentos são puros e desinteressados, os cuidados são deixados de parte. Achamos que não precisamos de ter cuidado, aqueles a quem queremos bem jamais poderão querer-nos mal. O resultado parece que não foi famoso. Magoei-me, magoaram-me. O broto de amizade desinteressada e genuína que achei que tinha encontrado foi decepado. Pior, perdeu-se a confiança. Pior ainda, as consequências, se quisermos condensar mil razões num bode expiatório chamado "mentira (?)", foram trágicas e ardem-me na pele, todos os dias, arderão sempre. Não querendo encapsular todas as raivas e angústias neste engano, que as culpas não são só de quem erra, são também de quem acata o erro e vira as costas à verdade, dói. Sinto-me defraudada. Sinto-me ultrajada e profundamente decepcionada. Como me tenha sido prometida uma amiga com quem trocaria poemas e memórias e, quando abri o pacote lindamente embrulhado, me tenha saído uma reles e bidimensional fotografia desfocada, uma sombra fria de tudo o que se anunciou. Afinal, foste apenas mais uma desilusão, mais uma pessoazinha ofuscada com o brilho do orgulho, bem no centro do umbigo.


Não sei, de facto, que tipo de pessoa serás.




E quanto mais lhe tentavam fechar a boca para que não se escapassem verdades, mais as ideias replicavam, maiores os gritos que o seu olhar plantava.


2 comentários

Comentar post