Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem

Até isso o fdp do desgosto me tirou. Eu, a gaja menos piegas com dorzinhas e doenças a norte da Taprobana, a que aguentava as dores sem drogas, que não colocava a hipótese de não ir, não fazer ou ficar quieta só para doer menos, a que ao invés de temer cirurgias pouco simpáticas e arriscadas está desejosa de ser "reparada"... Prostrada com uma febrezinha, a gemer de mau-estar daqueles que antecedem as gripalhadas, munida de chá de limão com mel, de antigrippines e pastilhas para a garganta, enrolada numa manta sem forças sequer para sair do sofá. Sinto-me como um gajo doente, daqueles (todos?) que parecem bebés indefesos a pedir atenção maternal, pálidos, a fazer beicinho. Eu, mariquinhas (!). Como raio cheguei a este estado? Deve ser de ter a cabeça cansada e fraquita (como os gajos, lá está), só pode.


Filho da puta! Pronto, já disse, com as letras todas. (Vêem como não estou em mim?)


Será que terei de ceder e conformar-me com a triste realidade, nunca mais nada será como dantes? Reduzida a um farrapo do que fui, a uma sombra do que poderia ter sido. É triste. É mesmo muito triste.


 


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.