Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem
Ainda faltam dois dias para a semana acabar e já sinto na boca o gosto a um mês de dentífrico mal esfregado, dentes cansados de verem passar tantas palavras em vão.
A semana anterior também não foi profícua em gargalhadas nem suspiros e terminou como esta começou, cheia de solavancos emocionais, de vontades questionadas a medo, porque as certezas estão espetadas bem fundo, são pilares de ponte (sobre-o-Tejo, pois claro).
Esbugalhei os olhos, franzi a testa, rosnei um pouco também. Tomei decisões, chamei razões, e em dias alguém muda as cores do cenário - vê-se já uma brecha na parede de esferovite. A brecha não significa que a casa esteja a cair. Pelo contrário, talvez seja uma fonte de luz que se permitiu atravessar no meu caminho. No fundo, no fundo, eu sou optimista. E tenho uma alergia quase física (juro que às vezes parece que ouço neurónios a gritar em surdina) às rotinas. É por isso que gosto tanto da carta "A Morte" do Tarot, significa mudança. Não necessariamente má, não necessariamente boa. Mas Mudança! Muda a dança, mundo em andança... Detesto refeições repetidas, férias na praia - parece que os grãos de areia, os cães a nadar e as criancinhas a ladrar (oops, fui má... ihih) se repetem, sempre no mesmo tom, com o mesmo cheiro de bronzeador Nivea... Os mesmos pés que passam o ano enclausurados em sapatos apertados e meias pouco perfumadas passeiam-se pelos rebordos da minha toalha. Blhac!!! Xô, tira daí esse dedão de unha comprida, este espaço é meu e não estás autorizado a respirar nele! Detesto ter as mesmas conversas de ontem, dizer a mesma frase vezes sem conta, vezes sem conta, vezes sem conta. Adoro surpresas, daquelas a meio da tarde que entram pela porta da frente sem mais nem ontem. Não gosto daquelas canções que nunca se escutou mas sabe-se a letra, de tão previsível que é. E, contudo, adoro ter a segurança e conforto das mesmas caras que me sorriem, sempre com afabilidade, por curiosidade ou simpatia.
Descoberta, aventura, imaginação a galope... E o quente do abraço que acolhe o cansaço.



Esta é para ti, AragemAzul. Com amor, sempre.

1 comentário

Comentar post