Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem

Só poesia não basta..png

Só poesia não basta, amor, que as palavras são vãs e ficam dobradas em envelopes rotos dentro de gavetas com cheiro a naftalina, ficam os bilhetes esquecidos nos casacos de Inverno, ficam os livros nas prateleiras, que cuidas com zelo mas deixaste de folhear. Não me ocorre maior poesia do que a que os nossos lábios trocaram no escuro, perdidos, sequiosos de encontrar o que lhes faltava. Voltasse atrás e ter-te-ia calado com beijos meigos logo que começaste a falar, teria pegado nas tuas mãos e não as largaria desde aquele momento. Os planos de fugirmos juntos, de mandar tudo ao ar, de só encostar a minha cabeça ao teu peito sabem a sangue na boca. Que amor triste, o nosso, que matámos antes de poder ser. Que amor frio, o nosso, poesias feitas lâminas de papel. Há um frio que me cresce que só no teu interior vazio e negro pode caber. Duas solidões pelos ares, onde pertencem, num paralelo irreal onde o teu corpo sobre o meu canta magias que ninguém pode ler.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.