Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem

Falo baixo, dizem-me. Acredito. Não suporto que estejam bem pertinho a quase gritar aos meus ouvidos. Não suporto que outras pessoas ouçam conversas que não lhes são destinadas. E recordo o que um grande e excelente professor que tive, que apenas narrava com o seu tom grave, mas baixo -  e quase monocórdico -, histórias deliciosas durante 55 minutos (as suas aulas deviam ter 90 minutos mas ele considerava anti-pedagógico e ao fim de menos de uma hora mandava-nos embora) e odiava ruídos de fundo, ensinou: só precisa de falar alto quem não tem nada importante a dizer; quando a mensagem é relevante, a audiência faz silêncio para que se oiça o narrador.

 

 

 

 

 

 

Tenho uma barra nova. Já tínha o emblema do nAO. Porque sou visceralmente contra o Acordo Aborto Ortográfico, porque a Língua Portuguesa é mesmo a minha pátria, como será a vossa, e não podemos permitir que a dilacerem. A Língua só perde com as recentes alterações, que castram a variabilidade e riqueza que lhe eram características. Por mim, não vejo problema algum na existência de várias grafias nos vários países que falam a nossa língua. Mas vejo problemas grandes na uniformização e na limitação dum património que é de todos. Evolução da Língua, concerteza. Imposição de alterações injustificáveis e sem nexo para pelo menos 10 milhões de pessoas, NÃO!


 


Agradeço à Tertúlia Benfiquista, responsável pelo código original da barra*, que "apanhei" via Advogada do Diabo (e alterei ligeiramente).


A todos quantos discordem do Acordo Ortográfico, apelo a que visitem o site do nAO, assinem e divulguem a ILC (Iniciativa Legislativa de Cidadãos), que pretende revogar o Acordo e necessita de recolher o máximo de assinaturas até dia 15 de Novembro. É muito fácil, basta fazer download do documento, preencher com os dados pessoais, assinar e enviar (pode-se enviar a digitalização por e-mail).


 


 


* já agora, para quem quiser levar, deixo a minha versão; no espaço a azul, podem colocar o link original do post da Tertúlia, o link para uma eventual explicação, ou nenhum:


 


<div style="position: absolute; top: 0; right: 0;">
<a href="http://xxxxxxxxxxxxxxxx" target="_blank"><img alt="origem" src="https://c1.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/o8801e707/6363704_Wktik.png" border="0"/></a></div>


 

Uma vez escrevi num postal de aniversário estas exactas palavras:





"A felicidade processa-se do interior (de ti próprio) para o exterior. Não depende de outra pessoa, nem de qualquer factor externo ao teu íntimo. Não é o que fazes, o que tens ou quem te acompanha que te definem, mas antes quem escolhes ser. Que encontres a sabedoria que te permita escolher ser, espontaneamente, Feliz. Não desejo que se concretizem todos os teus sonhos; o meu desejo egoísta é que sejas muito feliz."


 



 


Vá, toca a experimentar a fórmula mágica para a Felicidade. Se resultar, venham cá dizer.





P.S. O meu desejo egoísta mantém-se.


Chego a uma altura na vida, e fazem-me as circunstâncias e condicionantes pensar em coisas destas. Já há tempos tinha escrito uma declaração de últimas vontades, em jeito de testamento. Não tenho ideias de bater a bota nos próximos, digamos, 50 anos (que tenho tanto mundo ainda por calcorrear, sabores e texturas por sentir, beijos por dar, livros por ler…). Mas começo a estar mais consciente de que tudo é efémero e que a vida dá muitas enormes voltas em poucos segundos. E como sou um niquinho de nada perfeccionista e controladora, achei por bem deixar as últimas ‘ordens’ bem explícitas e umas mensagens de “ponto final”, que as restantes vou tentando entregar em mão e na hora.


 




Não vou partilhar aqui, naturalmente, até porque se contam pelos dedos duma mão (e ainda sobram dedos) aqueles que me conhecem a mim, a pessoa que faz uns turnos de Princesa Canela, e este espaço. Mas saibam que odeio despedidas e prefiro escrevê-las quando tem de ser.




Queres mesmo mesmo mesmo, mas mesmo mesmo mesmo mesmo mesmo saber o que penso quando penso em ti? Queres? Mesmo?





Querias... Mas não to vou dizer. Se quiseres MESMO saber, vais ter de dar-te ao trabalho e obter/seguir as pistas. A primeira dou de barato, que sou generosa.





Pista #1: Há uma parede em Lisboa onde está tudo escrito, numa só frase...





 


Para obter mais pistas é favor deixar esmola na caixinha. =)