Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

Ventania

Na margem certa da vida, a esquerda.

origem

Uma pessoa anda a manhã inteira em cima de escadotes bamboleantes, a amarinhar pelos armários acima, em limpezas, armada em dona-de-casa-alpinista. Senta-se na cadeira mais confortável da casa, inclina-se para a frente e... cai um valente trambolhão, com a cadeira por cima.


Resultado: uma marca negra no chão, duas marcas negras no rabo. 


Os nossos vizinhos eram terríveis. Várias vezes estive para chamar a polícia, tal era a animosidade das coisas. Um casal e um puto. A senhora tinha ataques histéricos e gritava, do fundo da sua capacidade torácica, gritava muito. Às vezes gritava com o filho, normalmente um gutural "caaaaaala-te!". Outras vezes gritava com o Universo, ou assim me parecia, só um grito de horror, ou desespero, ou se calhar cansaço. Sei que a primeira vez que ouvi um destes gritos pensei que estava a ocorrer um crime, ou que tinha sido encontrado alguém morto. Quando uns segundos depois o grito se repetiu, com uma intensidade menor e mais umas palavras a acompanhar, percebi que afinal era algo bem menos dramático e larguei o telefone (já estava a ligar para a PSP). Mas os gritos piores eram os gritos dirigidos ao marido, pela frequência, intensidade e sobretudo pelas frases horríveis que veiculavam. Desde "és o pior pai do mundo" a "espeto-te uma faca na cara" ou mesmo, para o filho, "o pai odeia-nos, odeia a mãe e odeia-te a ti", com uma palavrões pelo meio, tudo era possível.


Depois as coisas acalmaram bastante. Tanto que chegámos a pensar que se tinham mudado. Mas não. Tiveram mais um filho.



 

Esta manhã, enquanto nos vestíamos.


 


(Eu) - Xiii, há que tempos que não conseguia meter-me nestas calças!


 


(Ele) - Ai é, amor, estás a engordar?


 


(olhar fulminante enquanto constato que para ele dá igual que eu fique mais ou menos obesa)


 


(Ele) - A emagrecer, eu queria dizer emagrecer. Mas olha lá, as calças devem estar apertadíssimas, não?


 


A dúvida é: mato-o com porrada ou com veneno na sopa?